Melhores de 2015: Paulo Afonso

28 de janeiro, 2016 | por Fernando Bueno
Melhores do Ano
4

Esta é a lista dos 10 melhores álbuns que ouvi no ano de 2015. Como não parei pra conhecer muita coisa nova neste ano, devo ter escutado uns 25 a 30 álbuns lançamentos, então a minha lista não foi muito difícil de completar. Em poucas palavras, venho compartilhá-la com vocês. Segue em ordem os álbuns que mais me agradaram.


The Neal Morse Band – The Grand Experiment

Este álbum foi algo totalmente único este ano para mim. A parceria com o Mike Portnoy ( Transatlatic, Flying Colors) tem feito grandes álbuns surgirem , ótimas letras , belas melodias… Definitivamente o melhor álbum do ano de 2015!


Iron Maiden -The Book of Souls

Sensacional! Músicas pegajosas, álbum bem trabalhado, Bruce cantando como sempre e sem duvida melhor que os álbuns anteriores, chega ser difícil falar de um álbum tão completo.


Muse – Drones  

Desde que conheci Muse venho acompanhando os álbuns dos britânicos. É surpreendente como eles saíram do meio pop para se tornar algo mais próximo dos apreciadores de outros estilos. A temática de Drones fez a banda ter um ar mais adulto e não tão pop quanto os adolescentes tanto adoravam.


Ghost – Meliora    

Ghost nunca foi minha banda preferida, mas este álbum e a agressividade que colocaram nele me cativou bastante. Utilizando vários elementos do classic rock já visto nos anteriores mas fugindo do mais do mesmo, com isso conseguiu roubar algumas horas da minha vida.


Soulfly ­- Archangel  

Soulfly conseguiu mais uma vez se superar em outro álbum de músicas pesadas e bem trabalhadas. Nunca foi meu estilo preferido, porém estes últimos, Enslaved (2012), Savages (2013), me agradaram muito.


Angra – Secret Garden  

Não imaginava que depois de, ao meu ver, dois álbuns fracos o Angra conseguiria lançar um algo tão bom quanto Secret Garden. Fabio Lione nos vocais fez toda diferença, variando muito do estilo de voz que ele usa no Rhapsody of Fire, deixando este álbum com um vocal único.


Luca Turilli’s Rhapsody – Prometheus, Symphonia Ignis Divinus

Rhapsody para mim é sempre a mesma coisa. Faz tempo que álbuns do Luca Turilli e Rhapsody oF Fire para mim parecem álbuns iguais, nada de novidade sem nenhum atrativo. Mas quando ouvi este álbum encontrei algo bem mais chamativo que todos os outros, fazendo Prometheus entrar na sétima posição da minha lista.


Lacrimosa – Hoffnung

Não nego que Lacrimosa me decepcionou com os últimos álbuns da carreira – no caso Sehnsucht (2009), Schattenspiel (2010) e Revolution (2012) -, porém este trouxe de volta a vontade de escutar esta banda. Com o clima gótico de sempre, fazendo e misturando elementos da música clássica e o peso do heavy metal.


Tuatha De Danann – Dawn Of A New Sun

Surpreendente evolução da banda depois de tanto tempo parados – o último tinha sido Trova di Danú (2004). Os mineiros voltaram com uma qualidade sonora mais adulta, peso em seus instrumentais, mas não fugindo de suas origens.


David Gilmour – Rattle That Lock

Álbum que não deixa a desejar em nada, agradável aos ouvidos.


 

Decepção do ano

The Winery Dogs – Hot Streak


Melhor Ao vivo

Flying Colours – Second Flight: Live at the 27


Melhor Bluray/DVD

Roger Waters – The Wall



4 Comentarios

  1. Vale a pena mesmo ouvir esse tal de Lacrimosa aí? Nunca me interessei. A capa deste disco me lembrou as do Marillion…

    • André Kaminski disse:

      O Lacrimosa é bem diferenciado, mesmo dentro do gothic metal. Aquelas voz de Willian Bonner do Tilo Wolff cantando em alemão e uma atmosfera que varia muito em cada música (desde carregada até romântica) faz valer a pena conhecer a banda.

      Recomendo o meu preferido Lichgestalt (2005) e os excelentes Fassade (2001) e Elodia (1999).

      Ainda falando sobre a banda, concordo plenamente com o Paulo sobre os três últimos álbuns que foram bem inferiores a esse último.

      Sobre o resto da lista, ainda me falta tirar um tempo para ouvir o Soulfly e o Turilli que são discos que ouvi muita gente falar bem.

      • André Kaminski disse:

        E só para constar, esse ano ainda vou fazer a discografia comentada deles. Não sei exatamente quando, mas vai sair em 2016 de qualquer jeito.

  2. Felipe disse:

    Hot Streak foi o melhor disco de rock que ouvi em 2015, misturas com funk R & B e prog, coisa fina, superior ao disco de estreia.

    Da lista os que mais me agradaram foram na ordem Ghost, Neal Morse e Iron Maiden.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *