Na Caverna da Consultoria: Bernardo Brum

12 de julho, 2016 | por maironmachado
Entrevistas
6

bernardo trabalho

Por Mairon Machado

Próximo as Olímpiadas, o Consultoria do Rock viaja para a capital fluminense, para conversar com um dos Consultores mais versáteis que já passaram por nossas páginas. Escritor, crítico de cinema e amante da literatura, Bernardo Brum foi responsável por dar uma nova cara para a Consultoria, trazendo bandas que fugiam da linha Heavy Metal e Rock Progressivo que foi uma marca nos primeiros anos do então blog.

Com uma imensa coleção de livros, Bernardo conta-nos suas principais lembranças sobre sua coleção de discos, encontros com artistas famosos e seus trabalhos no mundo da literatura e do cinema.


bernardo e mafalda

bernardo e quadrophenia

Com Mafalda (acima) e uma cópia de Quadrophenia (abaixo)

1. Grande Bernando, como vai você? Bem vindo de volta às páginas da Consultora.Obrigado por compartilhar sua história conosco. Por favor, apresente-se para os leitores.

Opa, grande Mairon, em primeiro lugar obrigado pelo convite. Meu nome é Bernardo Brum, já fiz um monte de coisa nessa vida mas na maior parte do tempo trabalho com comunicação, especialmente crítica de cinema. Tenho 27 anos à época dessa entrevista e sou roteirista cinematográfico e jornalista de formação.

2. Como você conheceu a Consultoria do Rock?

Pelo ex-companheiro e ex-integrante de site Bruno Marise, ao ler seus textos que compartilhava no site. Outro amigo meu da época e também ex-integrante era o Luiz Carlos (LC), que foi companheiro no nosso blog de cinema Cinecafé. Também conhecia o Adriano KCarão do Last.Fm, haha.

camisa henfil

camisa adoniran

Camisas de Henfil (acima) e Adoniran Barbosa (abaixo)

3. Como foi que você passou a colaborar com o site?

Estava com um blog de música à época que tinha muitos membros mas que ia devagar quase parando, o Tequila Radio, do qual LC e Marise faziam parte. Gostei muito do Consultoria e como estava na vibe de escrever sobre música após já me ter consolidado na crítica de cinema, pedi para o Bruno Marise me recomendar para a equipe. Felizmente fui aceito!

4. Você já tinha experiência em escrever anteriormente ou a Consultoria foi sua primeira experiência?

Sim, tive um blog na adolescência sobre música. O mantive com amigos entre 2004 e 2007, 2008. Em 2009 comeceium blog de cinema, e em 2011, fui chamado para escrever no Cineplayers. Meu ingresso na Consultoria foi resultado desse momento onde eu estava escrevendo bastante e conseguia me comprometer quase que inteiramente aos blogs e sites.

scarface camisas

camisa mutantes

Camisa do Scarface, clássico de Al Pacino (acima) e dos Mutantes (abaixo)

5. Como surgiu o site Quintal Marciano?

Sempre escrevi em sites e blogs com temas específicos – música, cinema. O Quintal surgiu com a minha vontade de criar um portal onde basicamente se pode falar de tudo ligado a algum aspecto cultural – literatura, política, tecnologia… E até mesmo material artístico autoral.

6. Quais as ideias principais do site em termos da literatura? Vocês focam em algum tipo específico de literatura?

A pauta é bastante livre, mas acredito no meu caso que a sardinha sempre será puxada para a literatura clássica e gêneros como o terror e a ficção científica. O mesmo acontece quando vou tratar de cinema, aliás.

7. Os livros são sua principal paixão?

Sim. Antes do jovem adulto Bernardo ver cinco, seis filmes em uma semana, antes do adolescente Bernardo escutar uma discografia inteira em dois/três dias, a criança Bernardo estava lendo um quadrinho, um livro e uma revista no mesmo dia.

estante

Coleção de livros

8. Quantos livros você tem?

Acho que depois dos 300 parei de contar. Devo ter 500 ou mais, calculo.

9. Qual o autor que você mais gosta?

Hemingway escreveu meu romance favorito, “Por Quem Os Sinos Dobram”, mas Dostoiévski tem o maior número de obras pelas quais sou apaixonado.

10. Qual o gênero que você mais curte?

Noir (Raymond Chandler, David Goodis, Chester Himes), horror “obscuro” (Poe, Lovecraft, Chambers) e sci-fi distópico (Orwell, Huxley, K. Dick)

livros 1

Parte da coleção de livros

11. Além de livros, você também é aficcionado por filmes e séries. Já chegou a ter um site/blog sobre cinema?

Sim, o blog Cinecafé entre 2009-2012 e sou crítico do site Cineplayers desde 2011. Estou também no Cinesideral há poucos meses.

12. Caraca, não sabia que você fazia parte do Cineplayers. Para mim é um dos melhores sites sobre críticas e dicas de filmes e artistas do cinema em geral. Você ainda está por lá?

Estou sim! Nem sempre consigo contribuir tanto quanto quero por diversas razões, mas costumo me manter bem ativo por lá. São mais de duzentos artigos publicados. Vou completar meia década lá esse ano!

livros 2

livros 3

Livros …

13. Como é trabalhar para um site tão grande quanto o Cineplayers?

Curioso. A gente se adapta às exigências com o tempo, mas não está nem um pouco preparado para o reconhecimento, positivo e negativo. Não se está preparado para encontrar pessoas em festivais que são seus leitores, perguntam a razão de opiniões suas, dizem que admiram e respeitam a sua visão de cinema… Ao mesmo tempo, também precisa de um tanto de sangue frio para aguentar comentários exaltados de fã de alguma coisa que não suporta ter o objeto de culto criticado.

14. Não conheço o Cinesideral. Qual é a diferença desse para o Cineplayers?

Ambos falam sobre cinema, mas diria que possuem estilos de abordagem diferentes. Cineplayers é populares pelos suas críticas e listas, já o Cinesideral tem outros formatos de artigos.

livros 4

… e mais livros

15. Voltando para os tempos de Consultoria, qual a matéria que você mais gostou de ter feito para o site?

Os “5 discos para conhecer” funk e rap. Renderam um ótimo retorno dos frequentadores e me diverti escrevendo e pesquisando.

16. Você é um assíduo participante das listas de Melhores de Todos os Tempos, mesmo não estando colaborando diretamente com matérias. Qual a sua percepção sobre esse tipo de matéria com vários colaboradores?

Muito bom e muito louco, haha. Várias vezes já emplaquei quase tudo, outras vezes não emplaquei literalmente nenhum, já ouvi discos que nem desconfiava da existência, já fiz a galera ouvir disco que desconheciam. É muito bom ver o povo se surpreender, para melhor ou para pior, várias vezes descobrem algo que gostam, às vezes tem uma aversão hilária, mas esse é o lado legal de música, não é? Raramente um disco deixa alguém apático.

minhas camisas

Filmes: paixão levada no peito através de inúmeras camisas

17. E sobre os War Rooms? Você também chegou a participar de alguns. Como foi a experiência?

Foram sempre experiências muito positivas. Pude conhecer novos sons e apresentar novos sons para o pessoal. Mesmo que a recepção não seja sempre boa, é sempre interessante ver pessoas compartilhando com universos com as quais não estão acostumados. Eu mesmo já tive surpresas muito positivas.

18. O que você caracteriza como principal característica do Consultoria do Rock, que o torna um diferencial nos demais sites de música?

Acredito que o site tem um universo à parte para fidelizar seus leitores: as diferentes seções têm uma cara toda própria, que faz a gente querer ler mais e voltar sempre. E os editores têm todos personalidades e gostos distintos. O site tem um carisma inegável.

19. Depois de algum tempo, você acabou deixou de colaborar. O que aconteceu?

Muitos compromissos de trabalho se avolumando me obrigaram a abandonar a maioria das minhas investidas virtuais, mantendo apenas o Cineplayers. Por um bom tempo fiquei com pouco tempo livre, mas hoje felizmente já estou com maior respiro no dia a dia, conseguindo voltar a exercer atividades paralelas apesar dd sempre existirem as semanas mais atribuladas.

meus jogos

Jogos também fazem parte da vida de Bernardo

20. Já falamos sobre seus livros, mas agora vamos falar um pouco sobre o que o levou para a Consultoria. Como foi a sua formação musical?

Meus pais gostam muito de samba e MPB, além da minha mãe gostar muito de disco music dos anos 70, então acho que a fascinação que tenho com ritmo e groove é quase de família. Apesar de eles gostarem.

minha mãe, minha tia e clara nunes

A família de Bernardo com famosos. Aqui, mãe e tia junto de Clara Nunes (ao centro) …

meu pai e elke maravilha

… Aqui, o  pai de Bernardo, com Elke Maravilha

21. Com quantos anos você comprou seu primeiro disco, e qual foi? Você ainda tem ele?

Na verdade, a vontade de colecionar discos veio quando ganhei o By The Way, do Red Hot. Algumas semanas depois, peguei o dinheiro que tinha juntado e comprei o 40 Licks dos Rolling Stones, 30#1 Hits do Elvis Presley e Nirvana, aquele best of de capa preta. Foi o que me fez descobrir a paixão por música.

22. E sobre sua coleção. Quantos discos você chegou a ter?

Uns 300, salvo engano.

23. Na sua coleção predominava o que? (LPs, CDs ou ambos)

Tive pouquíssimos Lps. Sempre tive mais cds.

24. Qual o artista que predominava na sua coleção?

Black Sabbath. Tinha boa parte da discografia.

onde ouço música hoje

A coleção foi parar no PC

25. Como e por que você acabou se desfazendo dos seus discos?

Com o tempo, escutava cada vez mais música em formato digital e cada vez menos em discos. Tinha discografias inteiras no HD do computador. As outras coleções (livros, filmes) estavam crescendo. Então o interesse de manter a coleção foi decaindo e precisei liberar espaço em casa com o tempo.

26. Quando você percebeu que iria virar um colecionador de livros?

Quando esta passou a se sobressair em relação às outras.

rolling stones gimme shelter e neil young year of the horse

credenciais festivais do rio

Dois DVDs de cabeceira (acima) e credenciais para festivais de cinema no Rio (abaixo)

27. Como você organiza sua coleção de livros?

O que eu já li fica à vista, na estante em ordem alfabética. O que ainda não li, no armário, em uma fila provisória de leitura sempre sujeita à mudanças. Os livros de cinema e quadrinhos estão organizados à parte.

28. Você frequentou muitos shows. Tem uma noção de quantos já foi?

Rapaz, no computador velho que foi pro espaço foi pro espaço tinha tudo listado até mais ou menos 2012. Juntando os shows underground e cover, dava uns 180. Já fui mais desde então, apesar de não ir tanto hoje em dia.

bernardo e abel ferrara

bernardo e b negão

Com Abel Ferrara (acima) e B-Negão (abaixo)

29. Quais artistas você teve uma troca de ideias nesses shows?

Conversei com o Carlos Lopes no show do Dio, talvez tenha sido o ápice. Cara de um conhecimento e visão tremendos. Outros que curti muito trocar uns dedos de prosa foram o B Negão, o Thiago França (Metá Metá) e o Negro Léo.

Quando tava no final da escola fui num show onde tocavam os Autoramas, o Rock Rocket e o Cansei de Ser Sexy, e puxei papo com todos depois dos shows.

30. Sou fãzaço do Metá Metá, e principalmente do Thiago França. Acho Sambanzo um baita disco. Conte mais um pouco sobre esse encontro com o gigante paulista

Foi uma oportunidade única. Juçara Marçal é um das melhores cantoras da nossa geração (não só no Brasil e do mundo) e acho Kiko Dinucci e Thiago França o mesmo como instrumentistas. O som deles é rico, tão complexo e impactante, tão furioso quanto cheio de texturas. E como pessoa, o Thiago é muito simpático, nem parece que no palco o Metá Metá tem aquela postura tão singular, tão “única”, parecendo que baixaram espíritos na hora de tocar ou sei lá, e sejam pessoas tão afáveis e receptivas pessoalmente.

bernardo e dario argento

bernardo e cj ramone

Dario Argento (acima) e CJ Ramone (abaixo)

31. Conte-nos uma história curiosa que envolva um artista ou algum autor de livro que você tenha conhecido.

Tomei um perdido do Jards Macalé quando pedi uma foto pra ele. Ele tinha ido tocar no meu curso (Darcy Ribeiro), batemos um papo rápido mas ele não tava muito com saco não, hahahaha. Acabou falando que “ia ali” e não voltou mais.

Também peguei autógrafo com o CJ Ramone gripadíssimo. O sujeito tava quase caindo pra trás.

Mas talvez o mais improvável foi quando topei com o lendário diretor Dario Argento saindo de uma van em frente ao cinema de onde tinha acabado de sair. Tive uma reação digna de Beatlemania. Mas ele foi muito gentil, caloroso e atencioso. Ouviu tudo, respondeu tudo, deu autógrafo, posou pra foto. E não pareceu incomodado em momento algum. Ou ele gosta desse tipo de encontro com fã ou finge muito bem, hahaha!

bernardo e marçal aquino

bernardo e eduardo coutinho

Com Marçal Aquino (acima) e Eduardo Coutinho (abaixo)

32. Musicalmente, o que todo mundo gosta e você não consegue gostar? O que só você gosta?

Tem bastante coisa. Power metal, metal sinfônico, metal progressivo, rock farofa/hair metal, AOR e black metal estão entre estilos que me cansam rápido e dos quais eu consigo gostar de pouca coisa. Quando são eleitos na lista de Melhores, é uma verdadeira odisseia terminar alguns. O pior é que muitas vezes eu reconheço o valor das composições e da execução, até rola uma frustração não gostar dos discos…

O que só eu gosto está para os lados do noise, EBM e post-rock. Muita música contemporânea também. Apesar do rap ter muitos fãs ardorosos, vejo ainda muita resistência de algumas pessoas fãs de estilos mais bem contornados como o rock/metal.

Pra mim música é uma grande festa, dá pra tocar tudo embaixo do mesmo teto. E se ainda tiver gente quando o dia raiar, pega um violão e toca um samba, um country ou os dois.

bernardo e gilberto gil

bernardo e thiago frança

Gilberto Gil (acima) e Thiago França (abaixo)

33. Quais os dez melhores discos da década de 60?

01. Bob Dylan – Highway 61 Revisited
02. The Beatles – Abbey Road
03. The Velvet Underground – The Velvet Underground & Nico
04. The Beach Boys – Pet Sounds
05. Vinícius de Moraes e Baden Powell – Os Afro-Sambas
06. The Rolling Stones – Beggars Banquet
07. Jorge Ben – Samba Esquema Novo
08. Johnny Cash – At Folsom Prison
09. The Who – Tommy
10. Os Mutantes – Os Mutantes

34. Quais os dez melhores discos da década de 70?

01. Joni Mitchell – Blue
02. The Rolling Stones – Exile on Main St.
03. Caetano Veloso – Transa
04. The Clash – London Calling
05. Novos Baianos – Acabou Chorare
06. Funkadelic – Maggot Brain
07. Jorge Ben – África Brasil
08. Kraftwerk – Trans-Europe Express
09. Chico Buarque – Construção
10. Milton Nascimento e Lô Borges – Clube da Esquina

bernardo e rodrigo aragão

bernardo e ruy guerra

Rodrigo Arão (acima) e Ruy Guerra (abaixo)

35. Quais os dez melhores discos da década de 80?

01. Tom Waits – Rain Dogs
02. The Smiths – The Queen is Dead
03. Talking Heads – Remain in Light
04. Run-DMC – Raising Hell
05. Dead Kennedys – Fresh Fruit For Rotting Vegetables
06. Titãs – Cabeça Dinossauro
07. Arrigo Barnabé – Clara Crocodilo
08. Nick Cave and The Bad Seeds – Tender Prey
09. Public Enemy – It Takes a Nation of Millions To Hold Us Back
10. Ira! – Psicoacústica

36. Quais os dez melhores discos da década de 90?

01. Nick Cave and The Bad Seeds – Let Love In
02. Tom Waits – Mule Variations
03. The Smashing Pumpkins – Mellon Collie and The Infinite Sadness
04. Racionais MC’s – Sobrevivendo no Inferno
05. Radiohead – Ok Computer
06. Alice in Chains – Dirt
07. Nas – Illmatic
08. Faith No More – Angel Dust
09. A Tribe Called Quest – The Low End Theory
10. Chico Science e Nação Zumbi – Da Lama ao Caos

bernardo e zé do caixão

Zé do Caixão

37. Quais os dez melhores discos dos anos 2000 (de 2001 até agora)?

Da década 00:
01. Tom Waits – Orphans: Bawlers, Brawlers and Bastards
02. Nick Cave and The Bad Seeds – No More Shall We Part
03. PJ Harvey – Stories From The City, Stories From The Sea
04. Racionais MC’s – Nada Como Um Dia Após Outro Dia
05. Queens Of Stone Age – Songs For The Deaf
06. Kanye West – The College Dropout
07. Wilco – Yankee Hotel Foxtrot
08. Madvillain – Madvillainy
09. Arcade Fire – Funeral
10. Radiohead – Kid A

Da década de 10:
01. David Bowie – Blackstar
02. Tom Waits – Bad as Me
03. Kendrick Lamar – To Pimp a Butterfly
04. Radiohead – A Moon Shaped Pool
05. Kanye West – My Beautiful Dark Twisted Fantasy
06. Metá Metá – MetaL MetaL
07. D’Angelo and The Vanguard – Black Messiah
08. Juçara Marçal – Encarnado
09. Swans – To Be Kind
10. Elza Soares – A Mulher do Fim do Mundo

ingresso black sabbath

ingresso metá metá

Ingressos de Black Sabbath (acima) e Meta Meta (abaixo)

38. Cite dez discos que você levaria para uma ilha deserta.

01. Tom Waits – Rain Dogs
02. Bob Dylan – Highway 61 Revisited
03. Joni Mitchell – Blue
04. Nick Cave and The Bad Seeds – Let Love in
05. The Rolling Stones – Exile On Main St.
06. Caetano Veloso – Transa
07. The Clash – London Calling
08. Funkadelic – Maggot Brain
09. The Beatles – Abbey Road
10. Novos Baianos – Acabou Chorare

39. Cite dez itens que deveria ter nessa ilha deserta para completar o prazer de estar com esses dez discos.

01. Meus livros favoritos
02. Muitos cadernos em branco
03. Muitas canetas
04. Muito café
05.Meus quadrinhos favoritos
06. Jogos de tabuleiro/carteado para as visitas
07. Meu travesseiro
08. Minha poltrona
09. Uma câmera, um carregador de bateria e muitos cartões de memória
10. Uma vitrola

40. Há um fim para a sua coleção?

Eu tenho, a coleção não. Quando eu for desta para uma melhor, alguém vai ficar com ela e vai poder continuar colecionando.

ingresso bob dylan

ingresso macca

Ingressos de Bob Dylan (acima) e Paul McCartney (abaixo)

41. Alguma coisa mais que gostaria de passar para nossos leitores?

Ouçam música, leiam, vejam filmes e escrevam sempre que houver a oportunidade. O corpo precisa de comida e água, a cabeça precisa de arte.

42. Muito obrigado, e saiba que as portas da Consultoria estarão sempre abertas para você

Valeu Mairon, pelo convite e pela oportunidade! Com certeza contribuirei novamente no futuro!



6 Comentarios

  1. Marco Gaspari disse:

    Fotos com rockstars meia-boca qualquer um tem, mas reconhecer na rua e tietar Dario Argento não é pra qualquer um. Bernardo Brum a partir de hoje é oficialmente “meu herói”.Parabéns pela entrevista.

  2. Marcel disse:

    Confesso que não reconheceria o Dario Argento se visse ele na rua saindo do cinema! O tiozinho tem a maior cara de “normal”, ahaha!

  3. Micael disse:

    O Bernardo trouxe muitas bandas e estilos “diferentes” ao site, ajudando a ampliar o leque musical dos textos, e só por isso já deveria ser louvado pelo pessoal! Não que fossem estilos ou bandas que eu, particularmente, curta, mas acredito que é necessário essa variedade, evitando que os textos caiam no “mais do mesmo”. De resto, não sabia da paixão dele pelo cinema, achei muito interessante essa área de interesse, a qual não parece ser tão acentuada nos outros colaboradores da Consultoria (pelo menos não transparece ser). Bela entrevista, mais uma vez!

  4. André Kaminski disse:

    Uma foto com o mito Zé do Caixão. Inveja das brabas por aqui.

    Orra cara, você tinha que fazer uma lista de “5 discos para conhecer trilhas sonoras de filmes” já que domina o assunto melhor do que todos nós. No mais, ótima entrevista e pelo jeito muitas lembranças de shows e festivais. Muito foda isso!

  5. Gostei muito das camisetas.
    Muito legal Bernardo!!!

  6. maironmachado disse:

    A esposa do Bernardo, nosso saudoso Bruno Maresia, é quem ficou com os discos do rapaz. Pode isso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *