Por que Iron Maiden? The Alchemist – A Lenda de John Dee

18 de agosto, 2012 | por maironmachado
Artigos Especiais
4
Por Amancio Paladino
Caros amigos leitores, entraremos numa seara sem volta. De agora em diante, vamos estudar cada vez mais a fundo aquilo que está oculto nas letras das músicas do Maiden. Deixaremos de lado por alguns artigos as influências de seriados de TV, de filmes, de livros ou poemas e nos debruçaremos sobre os significados místicos das músicas do Maiden. Iniciaremos pelo básico, pelo mais simples e lentamente evoluiremos de forma que nos próximos três artigos chegaremos aos profundos conhecimentos esotéricos que deram origem a diversas músicas e discos do Maiden.
É necessário citar que, apesar de boa parte das influências místicas se deverem ao Mestre Dickinson, que sempre manteve aceso seu interesse pelo Hinduismo, pelo Hermetismo e pela Magia, a banda já demonstrava influências esotéricas em sua fase pré-Dickinson. Basta ouvir “Remember Tomorow” ou mesmo “Prodigal Son” para ter certeza disso. Assim, apesar do Mestre ter criado verdadeiros mundos com suas letras e histórias do além, a banda já seguia pela trilha dos iluminados e dos magos em seus acordes.
A Alquimia, tida por muitos como uma proto-ciência, ou mesmo um conjunto de conhecimentos pré método científico, foi a inspiração de muitas músicas do Maiden. A mais óbvia, e por onde começaremos nossa jornada, é a música “The Alchemist”.
Lançada em The Final Frontier, a música conta a história de John Dee, matemático, astrônomo, astrólogo e geógrafo do século XVI. Doctor Dee, como também era conhecido, foi também conselheiro da rainha Elizabeth I, mas destacou-se por seus conhecimentos de magia e por uma passagem conturbada ao lado de seu companheiro Edward Kelley. 
Símbolo de Doctor Dee: uma conjunção de vários
símbolos astrológicos
Dee conheceu Kelley em 1580 e ficou bastante impressionado com suas supostas habilidades especiais. Dee, que já havia obtido grandes conhecimentos e escrito importantes obras no campo das ciências naturais, estava em busca de conhecimentos no campo sobrenatural, no hermetismo e na magia. O jovem Kelley convenceu-o de que possuía habilidades para comunicação com os anjos, e assim tornou-se companheiro de Dee em suas viagens pela Europa oriental.
Nestas viagens, Dee utilizava as habilidades de Kelley para impressionar nobres e fidalgos que os recebiam em suas propriedades. Porém, algo de errado começou a ocorrer: Kelley começou a superar o Mestre Dee, e tornou-se mais renomado.
Cansado de sua relação de submissão, Kelley bolou um plano para separar-se de John Dee e seguir com sua carreira de mago. Ele convenceu Doctor Dee de que o anjo Uriel havia ordenado que ambos compartilhassem suas esposas, e que caso isso não ocorresse a desgraça se abateria sobre ambos. Tratava-se de um ritual que deveria executado para purificar a alma de ambos permitindo a continuidade das comunicações angelicais!
John Dee, que amava sua esposa acima de tudo, para surpresa de Kelley concordou. E o ritual foi feito! E finalmente Dee, percebendo a mentira de seu companheiro, abandonou a cena e voltou para a Inglaterra envergonhado.
Foi um belo golpe de Kelley, pois Dee, acatando ou não a ordem do anjo Uriel, acabaria por abandonar seu submisso companheiro.
Cartaz da ópera Dee
Ao voltar para a Inglaterra, John Dee dedicou-se ao estudo profundo da Alquimia e tornou-se recluso em sua residência, encarnando o estereótipo do cientista maluco. Lendas dizem que ele encontrou uma forma de voltar à vida, e que um dia ele retornará para limpar seu nome e sua imagem.
Ao olhar para a letra da música notamos todas essas passagens bem claras. A letra é praticamente didática.
É muito importante notar que a “The Alchemist” do Maiden tem pouca relação com a música “The Alchemist” do Mestre Dickinson, presente no álbum Chemical Wedding. Ambas tratam do tema, alquimia e magia, mas em Chemical Wedding a música realmente recita fórmulas alquímicas em linguagem correta, enquanto na música do Maiden a música é meramente um relato da conturbada vida de John Dee.
Alan  Moore
Outros músicos se preocuparam com a história de Dee, que, apesar de seus delírios, foi um importante estudioso de astronomia, sendo responsável por boa parte dos triunfos navais da Inglaterra no século XVI.
O diretor Rufus Norris criou uma ópera sobre a vida de Dee com base na história em quadrinhos de Alan Moore (o mesmo de “Watchmen” e “V for Vendetta”), que foi pouco exibida na Inglaterra, mas obteve excelentes referências da crítica. A ópera está disponível em CD, e foi lançada em 2011 na Inglaterra.
No próximo artigo, teremos um review completo do eterno Seventh Son of  Seventh Son, lançado pelo Iron em 1988. Aguardem!



4 Comentarios

  1. eduardoluppe disse:

    Parabéns Amancio!!! ótimo texto e bem fundamentado! Abraços

  2. Anônimo disse:

    Sensacional!
    – Floyd

  3. Igor Maxwel disse:

    Pra mim o Iron Maiden chegou ao fim da linha neste disco The Final Frontier, já que o que se ouve em The Book of Souls nada mais é do que uma banda fazendo uma tosca xerocópia de si mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *