Fantomas – The director’s Cut [2001]

27 de novembro, 2012 | por Pablo Ribeiro
Resenha de Álbum
0
Por Pablo Ribeiro
Fantômas, originalmente, é o nome de um personagem ficcional de histórias policiais criado pelos escritores Marcel Allain e Pierre Souvestre em 1911. É considerado o personagem pioneiro na transição das “novelas góticas” do início do século passado para os “Serial Killers” que tornaram-se os vilões das histórias nas décadas subsequentes. Fantômas, depois virou filmes mudos e falados, série de TV, e revista em quadrinhos, atravessando mais de sete décadas ao todo. Mas foi só no final da década de 90 do Século 20 que Fantômas virou música. Ou banda. 
Na verdade um supergrupo, não poderia haver alcunha mais apropriada para o conjunto, que o de um criminoso psicopata. Só por ter Mike Patton (Faith No More, Mr Bungle, Tomahawk, Peeping tom, Kaada/Patton, General Patton vs. The Executioners, Hemophilliac, Maldoror, fora as milhares de participações especiais) em suas fileiras, já dá pra se ter uma ideia de que o grupo não é nem um pouco convencional ou normal. E Patton não está sozinho em sua cruzada de insanidade musical. 

Longe disso, está muito bem acompanhado de Dave Lombardo (aquele mesmo, do Slayer, ex-Grip Inc. e Voodoo Cult) nas baquetas, do guitarrista Buss Osborne (dos Melvins, veterana banda Noise/Experimental/Sludge) e Trevor Dunn no baixo (companheiro de Patton no estranho Mr. Bungle). 

Trevor Dunn, Buss Osborne, Dave Lombardo e Mike Patton
 
Depois do primeiro álbum de inéditas, auto-intitulado (embora alguns, erroneamente chamam o disco de Amenaza Al Mundo“, uma obra prima do experimentalismo musical e metal “avant-garde”, lançado em abril de 1999, os dementes voltaram, dois anos depois com um disco (quase) inteiramente de covers, chamado de Director’s Cut, que, como o titulo entrega, traz músicas (quinze ao todo) originalmente compostas como trilhas de filmes. Tudo, evidentemente no estilo insandecido do quarteto que tem em Patton o vocalista perfeito. O cara berra, grita, geme, mumrmura… conferindo diferentes atmosferas às músicas. Desespero, loucura, claustrofobia, excitação e inumeras sensações no turbilhão de criatividade ímpar entregue pelos caras. 
A maluquice começa com uma das trilhas mais fantásticas da história do cinema: “The Godfather”. Quando Patton solta seus berros logo no início, já da para ter uma ideia do agradável pesadelo que está por vir. E seguem trilhas maravilhosas como “The Omen” (A Profecia), “Twin Peaks”, da série homônima, “Rosemary’s Baby” (O Bebê de Rosemary), “Cape Fear” (Cabo Do Medo) e “Charade” (A Charada, filme da década de 60 com Cary Grant e Audrey Hepburn), entre algumas músicas de filmes mais obscuros (pelo menos em terras Tupiniuins) mas igualmente fantásticas, do naipe de “Der Golem”, “One Step Beyond”, “Henry: Portrait Of A Serial Killer”, “The Devil Rides Out”, e as outras cinco canções restantes, além de uma faixa “inédita” (sem título nem referência na contra-capa do álbum): um efeito sonoro de ficção científica, de cinco segundos. Completa o material um encarte minimalista, mas muito bem feito, impresso em papel laminado. 

Fantomas ao vivo
Para os amantes de trilhas sonoras, o disco acerta em cheio em dar uma roupagem nova e original para clássicos (alguns nem tanto) do cinema, e serve, também, como uma introdução aos que querem conhecer o grupo, já que é seu disco menos “inacessível”. Depois desse Director’s Cut” os caras lançaram outros dois discos, ambos de inéditas: Delìrium Còrdia, uma loucura conceitual, composta de uma única música de aproximadamente setenta e quatro minutos, onde o tema principal é “cirurgia sem anestesia”, de 2004, e Suspended Animation (2005), onde as trinta (curtíssimas) canções fazem referência a cada um dos dias do mês. 
Também ha dois DVDs: Millenium Monster Work (2002), gravado em conjunto com o Melvins, e mais recentemente (final de 2011) Directors Cut Live: A new Year’s Revolution, onde o disco tema desta resenha é executado na íntegra, juntamente com outras canções do conjunto. Outra excelente pedida. 

Mike Patton

Não perca tempo, e entre já de cabeça no mundo insanidade do Fantômas. Director’s Cut é o primeiro passo! 
Track list 
1. The Godfather 
2. Der Golem 
3. Experiment In Terror 
4. One Step Beyond 
5. Night Of The Hunter 
6. Cape Fear 
7. Rosemary’s Baby 
8. The Devil Rides Out 
9. Spider Baby 
10. The Omen (Ave Satani) 
11. Henry: Portrait Of A Serial Killer 
12. Vendetta 
13. – 
14. Investigation Of A Citizen Above Suspicion 
15. Twin Peaks: fire Walk With Me 
16. Charade



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *