Blaze Bayley – Infinite Entanglement [2016]

1 de abril, 2016 | por Ulisses Macedo
Resenha de Álbum
7

Infinite Entanglement

 

por Ulisses Macedo

Quem acompanha a carreira do britânico Bayley Alexander Cooke, o ex-Iron Maiden mais conhecido pela alcunha Blaze Bayley, sabe que, em sua carreira solo, ele tende a escrever letras de cunho pessoal. Somente Silicon Messiah (2000) e Tenth Dimension (2002), os dois primeiros discos de sua empreitada, versam sobre ficção científica. Pois bem: em seu oitavo disco de estúdio, lançado quatro anos após The King of Metal, o careca resolveu voltar às origens futurísticas, compondo um disco conceitual que, segundo ele, é o primeiro de uma trilogia.

O álbum conta a história de William Black, um cara que, dentre 7000 selecionados, foi o escolhido para a “maior e mais longa missão espacial da história da humanidade”. No decorrer da jornada, William passa a se questionar se é mesmo um ser humano ou se é uma máquina; para isso, além das letras, o disco conta com breves inserções narrativas nas composições. A faixa-título abre o disco com empolgação, seguindo mais ou menos no estilo de registros como The Man Who Would Not Die (2008) e Promise and Terror (2010), com peso cadenciado, só que com guitarra à moda do metal tradicional. O refrão traz um groove que funciona muito bem. “A Thousand Years”, apresentada por uma breve introdução de bateria, mantém o pique e tem uma pegada maideniana, bastante animada. “Human” é a faixa de trabalho de Infinite Entanglement; a letra engloba a temática do disco de forma eficiente e traz bons solos de guitarra, além de uma bateria feroz e presença mais notável do baixo.

A próxima faixa merece ser introduzida por um parágrafo à parte, tamanha é a surpresa que sua chegada causa no ouvinte. Acústica, “What Will Come” traz Thomas Zwijsen (violão – lembram dele?) e Anne Bakker (violino) como convidados. Carregada de emoção, ela começa de forma mais contida e acelera um pouco na segunda metade, mantendo uma aura meio flamenca. É a composição mais interessante do CD e uma das melhores da carreira de Blaze. “Stars Are Burning” e “Solar Wind” trazem o peso de volta à linha de frente; gosto principalmente do refrão desta última. “The Dreams of William Black” não passa de um interlúdio atmosférico, contando com o teclado da convidada Emily Pembridge, mas sua premissa é interessante: William está sonhando e começa a ouvir vozes que perguntam onde ele está (‘Where are you?‘). Essas vozes são gravações enviadas por alguns fãs que ganharam esta oportunidade, tanto em inglês como em outras línguas – dá pra ouvir um ‘onde estás?‘ aos 18 segundos!

Blaze Bayley

Blaze Bayley

“Calling You Home” é uma boa faixa, mas sem surpresas além de um solo de guitarra um pouco mais elaborado, enquanto que “Dark Energy 256” tem aquele riff acelerado que lembra as clássicas “Man on the Edge” e “Futureal”, dos tempos de Iron Maiden. “Independence” engana ao começar lenta, com violão, mas logo deslancha em alguns dos momentos mais legais do álbum. A finaleira “A Work of Anger” é mais lenta, com uma pegada de hino que deve botar a galera para cantar a plenos pulmões nos shows. Os dedilhados remetem a “The Clansman”, mas ainda assim a faixa não chega ao nível dessa obra-prima de Virtual XI (1998). O curto epílogo “Shall We Begin” encerra o disco no tom certo para a segunda parte da trilogia.

A banda deste disco é composta dos músicos do grupo britânico Absolva, que Blaze utiliza em suas turnês européias: Chris Appleton (guitarra), Martin McNee (bateria, percussão) e Karl Schramm (baixo), sendo que Chris e Martin são conhecidos dos fãs que assistiram ao DVD Soundtracks of My Life – Live in Prague 2014. Isso mesmo: nada de guitarras gêmeas – uma decisão que me deixou cabreiro, afinal a presença de dois guitarristas era, até então, fundamental em seus discos. Apesar de conseguir mascarar bem a falta de outra guitarra no estúdio, ao vivo isso fica bem marcado, como se vê no próprio Live in Prague, por exemplo. A produção é um pouco melhor que a do antecessor The King of Metal (2012), mas teria sido muito melhor se Blaze trabalhasse com Andy Sneap, o produtor dos dois primeiros discos Sci-Fi de sua carreira. De qualquer forma, apesar de Infinite Entanglement ficar devendo para os discos mais representativos de Blaze, além de derrapar em vários quesitos, como na mixagem e na qualidade das composições, ele mostra um Blaze com ideias mais ambiciosas. Faltou só caprichar mais, o que talvez teria acontecido se Blaze ainda pudesse contar com as ajudas de uma gravadora, como na época do Silicon Messiah e Tenth Dimension. Espero que ele possa trabalhar melhor no restante da trilogia, pois criatividade ele ainda tem.


      Tracklist:blazebayley-live

  1. Infinite Entanglement
  2. A Thousand Years
  3. Human
  4. What Will Come
  5. Star Are Burning
  6. Solar Winds
  7. The Dreams of William Black
  8. Calling You Home
  9. Dark Energy 256
  10. Independence
  11. A Work of Anger
  12. Shall We Begin



7 Comentarios

  1. Marcel de Souza disse:

    O Blaze é um cara injustiçado! Torço pelo sucesso dele!!

  2. Dimas disse:

    Merece todo sucesso do mundo. Tenho que ouvir esse disco.

  3. Ricardo Lira disse:

    Boa resenha. Chris Appleton é um grande guitarrista e a banda é competente. Eu diria que Blaze se arriscou um pouco com apenas 1 guitarra, mas não ficou nada ruim. A produção do Live In Prague deixou a desejar porque parece que não se ouve direito o baixo, mas é um bom vídeo.

    Esperando ansiosamente pelo Infinite. Como demora…!

  4. Anônimo de volta disse:

    O Iron Maiden tocou em São Paulo no Monsters of Rock de 1996. Quem pensava que o Blaze seria vaiado se surpreendeu com as vaias que o pobre Sebastian Bach levou. Fora um saco de salgadinhos que foi atirado em sua direção e acertou em cheio o seu rosto hahahaha. Até o Blaze quando tocou aqui alguns anos atrás relembrou dessa história.

    https://www.youtube.com/watch?v=6afsryczJLI

  5. Diogo Maia de Carvalho disse:

    O instrumental até que é bem bacana, o problema é a voz do sujeito. Dá não…

  6. Diogo disse:

    Agora dia 18/06 terá um show do Blaze em Pomerode e o ingresso já ta garantido. Comecei ouvindo a discografia do Maiden e sempre pulava os cds que o Blaze gravou, sem ao menos ter ouvido, só porque lia nos review que não eram bons, mas a partir do momento que escutei ate hoje, virei muito fan do cara, me identifiquei com seu estilo e adoro todos os seus sons, inclusive da carreira solo, Blaze é foda, sem falar que é muito humilde, gosta do contato com os fans, ja tivi a oportunidade de ir a Curitiba em 2014 num show em que o Thomaz estava presente, demais !!!!

  7. Não sei pq tinha passado batido nesse texto do Ulisses. Talvez seja pq (ainda) estou esperando chegar a minha cópia que comprei fora. Deveria ter pego a nacional mesmo. Não curti muito o The King of Metal e espero que esse seja melhor mesmo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *